sexta-feira, 8 de abril de 2011

ZÉ ALEXANDRE


JOSÉ ALEXANDRE GARCIA, O MEMORIALISTA DA BOEMIA
Everaldo Lopes, HOMENAGEM
Tribuna do Norte, 09 de fevereiro de 1997

O CRONISTA RETRATOU O BAIRRO DA RIBEIRA ENTRE OS ANOS 40 E 60 COM O LIVRO “ACONTECÊNCIAS E TIPOS DA CONFEITARIA DELÍCIA”

Para quem deseja escrever sobre a figura de José Alexandre Garcia é indispensável conhecer os dois lados do gordo Alex: o desportista /cronista esportivo e o boêmio inveterado. Essas três facetas ele soube desempenhar a um tempo só, até porque as três corriam mais ou menos paralelas.

Nas conversas da Confeitaria Delícia, colhia muitos subsídios para a coluna diária que mantinha na imprensa e a vida boêmia vinha depois dos afazeres no seu escritório de despachante aduaneiro, na travessa Equador (hoje já com o nome de travessa José Alexandre Garcia). Era ali mesmo que preparava o material de jornal, que mandava pelo seu fiel escudeiro Cícero Graciano. Essa vidinha mansa Alex conseguiu manter durante anos, com uma paciência que parecia até que o tempo não ia passar nunca.

Nunca foi de ostentações, tanto, que jamais cogitou tirar seu escritório da acanhada travessa Equador, tão estreita, onde mal passava um automóvel, instalações modestas, uma velha Remington que usava para escrever a coluna diária, "Dizem por aí". No mais, limitava-se a assinar despachos que eram datilografados por um funcionário.

Dali, final de tarde, caminhava mais alguns metros e dava de cara com a Confeitaria Delícia, que ficava em frente à velha Rodoviária da Ribeira, onde o papo estendia-­se noite a dentro.

Se à noite tinha futebol ou futebol de salão, Alex bebia no máximo até três cervejas, porque a atividade de cronista esportivo e cartola do esporte também o seduzia.

ETERNO AMANTE - Zé Alexandre amava Natal e sua gente. Aqui cresceu e fez amigos, foi pai e avô. Antes mesmo do movimento ambientalista de hoje, Alex era um defensor intransigente do verde, crítico da extinção dos campos de várzea consumidos pelo boom da construção civil.

"A velha Ribeira de palafita, antigo alagadiço onde havia uma olaria, um plantio de canas e bananeiras, abrigou, depois de transformada em caminho de canguleiros que debandavam à cidade alta dos xarias, uma praça com uma pontezinha de madeira."

"Natal era a cidade modorrenta e provinciana, 40 mil habitantes espremidos entre Ribeira e Cidade Alta, o resto era a pobreza franciscana das Rocas, os sítios do Tirol, a mata de Petrópolis, o Alecrim ensaiando os primeiros passos".

“Assim como as pessoas, as cidades têm o seu instante de afirmação, o seu dia de superação, o empurrão providencial, o chamado passo à frente, decisivo e consagrador."

"Como quem queria recuperar o tempo perdido, Natal nunca mais parou de crescer, de expandir-se, de ampliar-se em novos horizontes, de abrir novas avenidas e das avenidas multiplicar-se em novos bairros, povoando-se de belas residências."

PERSONAGENS FANTÁSTICOS QUE POVOARAM A RIBEIRA

Ninguém contou estórias de boêmios tão bem como Alex no seu livro "Acontecências e tipos da Confeitaria Delícia". Diz bem Celso da Silveira no prefácio:  “Alexandre conta estórias daqueles personagens fantásticos que povoaram nos fins de tarde esse cenário descontraído, esse pedaço querido do território sentimental e estóico da velha Ribeira." E conclui: "José Alexandre, com mais de 100 quilos de fleugma, muitos dos quais a cerveja foi a grande culpada, resgata com seu livro essa memória que iria perder-­se com o tempo. Vamos todos, xarias e canguleiros, seus amigos, depressa a esse apetitoso livro cheio de milonga do cabuletê. Saravá e anauê." Celso da Silveira.

PERSONAGENS - Ninguém escapa de Zé Alexandre, uns mais, outros menos, e os que conseguiram "passar batidos" têm seus nomes citados, com a sugestão do autor de que alguém dê andamento ao assunto, quem sabe em um outro livro. A essas alturas, infelizmente, não mais escrito por ele.*

Uma das figuras folclóricas foi Zé Areia. Num fim de tarde na confeitaria. Quando Café Filho foi guindado à presidência da República, nos anos 50, ele viajou ao Rio para tentar um emprego. Ao falar com o presidente, este, após duas horas de chá de banco, ofereceu um emprego de seringueiro na Amazônia. Como não soubesse o que era seringueiro, foi informado de que era emprego de tirar leite de pau. Irritado, Zé Areia disse um desaforo ao oficial de gabinete e viajou de volta a Natal. Aqui, começou a baixar o cacete no presidente, nunca o perdoando pela indelicadeza com um humilde conterrâneo.

ALEX RETRATOU OS TIPOS MAIS COMUNS QUE HABITARAM A CIDADE BAIXA

A figura simpática e receptiva de José Alexandre Garcia habitava praticamente dois mundos: o do esporte, devido a sua atividade como cronista conceituado, e quase sempre dirigindo alguma federação ou mesmo a ACERN e o da boêmia, quando o assunto e os personagens eram outros, completamente diferentes. O horário de trabalho era dedicado ao escritório.

Apesar de formado em advocacia, não exercia a profissão. Na Confeitaria Delícia, juntava várias mesas e lá permaneciam por muitas horas amigos como Mozart Silva, Moisés Villar, Ferreirinha, Newton Navarro, Etienne Reis, Carlos Lima, Eider Reis, Zé de Brito, João Machado, Wilson Maranhão, Aldair Villar, entre tantos amigos que possuía.

Entenda-se, ao ser tratado por boêmio, que Alex não era um beberrão. Dosava sua cerveja, que era muito mais o pretexto para intermináveis conversas de mesa de bar. Sabia beber como ninguém. É o que se diz hoje de beber socialmente.

O outro Alex era o da turma da imprensa e do esporte. Quando presidiu a Federação Norte-riograndense de Futebol de Salão, ninguém foi mais responsável nem ousado nas promoções grandiosas. Presidindo a ACERN, também foi arrojado. Gostava de promover grandes temporadas com clubes de outros estados. Tinha uma liderança incrível sem ser arrogante. Gostava de dirigir, de presidir, e, talvez, por isso, jamais tenha desempenhado qualquer emprego público, onde, com certeza, ficaria obrigado a cumprir ordens "lá de cima". Nascido de uma família financeiramente bem situada, não ficou rico nem pobre com seu escritório de despachante aduaneiro. Com a esposa Isabel, teve cinco filhos, sendo dois homens e três mulheres, que lhe deram 11 netos. Alexandre partiu aos 71 anos.

SABER SER LEAL AOS AMIGOS ERA UMA DAS CARACTERÍSTICAS DE JOSÉ ALEXANDRE

Uma das grandes virtudes de Zé Alexandre foi a extrema lealdade para com os amigos. Era impossível ouvir dele qualquer crítica a um companheiro. Numa mesa de bar, podia até haver, partindo de terceiros, mas se não defendia de imediato o colega atingido, não se esperasse qualquer endosso de sua parte. Preferia até mudar de assunto. Alex também sabia ser grato aos amigos.

Uma das passagens mais pitorescas vividas por Alex foi quando Firmino Moura, no governo do Mons. Walfredo Gurgel, fez uma visita ao então secretário de Finanças, tributarista José Daniel Diniz, e lançou o seguinte apelo:

- Daniel, vim aqui pedir um favor: me demita do cargo de Fiscal de Rendas e ponha Zé Alexandre no meu lugar...

Claro, Daniel Diniz ficou surpreso com proposta tão estranha, até porque não seria fácil tomar medida tão descabida. Mas houve um jeitinho bem brasileiro e Alex foi nomeado. Não como Fiscal de Rendas, mas para o setor jurídico do IPE. O gesto de grandeza de "Mino" nunca foi esquecido.

No seu livro "Gol de Placa", Zé Alexandre cita essa passagem como forma de gratidão a um grande amigo, já que, naquele tempo, a situação financeira dele era das mais difíceis, com a agência de despachos marítimos rendendo pouco, as despesas crescendo.

OS ESQUECIDOS - Como último capítulo do seu livro retratando a Confeitaria Delícia, Alex faz um reparo: é a possível estranheza do leitor quando constatar que figuras tradicionais do bairro da Ribeira não aparecem no seu trabalho. Cita o mais badalado do bairro que foi Álvaro Limarujo, Luiz Tavares, Pedro "Garrote", os irmãos Chico e Antônio Lamas, Rômulo Leite, Berilo Wanderley, Zé Resende, o velho Fulco, Manoel Maria Costa, Almeida, da Força e Luz, e Lucas Siqueira.

Um comentário:

  1. Muito interessante e dscontraída a matéroa, gostei muito mesmo! Parabens!

    ResponderExcluir